Coisa chata é levar multa. Pagar um dinheiro que voce não estava planejando gastar. Perder pontos na carteira. Provavelmente pagar mais caro...

Levei uma multa e fui recorrer diante do juiz...

3/27/2018 Carol 0 Comments

Coisa chata é levar multa. Pagar um dinheiro que voce não estava planejando gastar. Perder pontos na carteira. Provavelmente pagar mais caro no seguro do carro por causa disso (aqui no Canadá tem disso de aumentar o valor por causa de multas também) Bahhh

Sim sim, eu estava distraída e sou mesmo culpada da minha multa. Eu passei num sinal (ou farol) vermelho, coisa que acho que nunca tinha feito aqui no Canadá - sim porque no Brasil eu não ficava num sinal vermelho nem a pau depois de escurecer, claro que cuidando para não ter acidente. Enfim, recebi a multa com a foto do meu carro e a multa era bem salgada, $345 dolares!

Na carta ja vem um envelope com selo pago e um formulário simples avisando que voce quer recorrer da multa. Apesar de ter a foto do meu carro, e esse fato em si ja tornar a multa quase que impossível de recorrer, mas não me custava tentar.

Poucos dias depois de ter enviado o formulário de volta, eu recebi outra carta com data, hora e endereço para comparecer perante um juiz. Na data e hora marcada compareci a courthouse de Mississauga sem ter a menor ideia do que aconteceria ou como seria o procedimento.

Meu “julgamento” foi numa sala chamada MER - Early Resolution, ou resolução rápida numa tradução minha. Pontualmente uma mulher vem e abre a porta chamando todo mundo do meu horário para entrar e fazer fila la dentro. Acredito que comigo tinha unas 30 pessoas e um por um nós cavamos nosso nome para ela. Em alguns casos ela tinha uma conversa rápida com a pessoa, as vezes resolvia ali mesmo e a pessoa ia embora, mas a maioria ela so mandava sentar. Sim, toda conversa era na frente de todo mundo mas nada muito pessoal ou discussão, apenas falando sobre fatos ou a multa em si.



Depois de todos terem se registrado, ela se apresenta como prosecutor, ou promotora e que todos que ficaram na sala era por causa de multa relacionada com passar no sinal vermelho. Dai ela explica um bocado de regras, fala sobre a multa e do papel dela naquela “resolução”,  que em breve a juíza entrara na sala e que todos que ali se declararem culpados ela oferecerá acordo de $200 ao invés de $345. Sim, desconto para todo mundo sem muito esforço da nossa parte.

Ela explicou também que a multa de sinal vermelho não tira pontos da carteira pois está associado ao carro e não ao motorista, porem se voce se declarar culpado da infração esta estará no seu histórico (ai que entra a parte que o seu seguro saberá da infração e poderá aumentar seu prêmio). A outra opção é se declarar inocente e pedir para ter um novo recurso, uma especie de 2a instancia com outro juiz.

Assim que ela termina de explicar tudo, não mais do que 10 minutos no total, a juíza chega, todos se levantam, se sentam e um por um são chamados para ir na frente no microfone dizer seu nome completo. A promotora lê a sua multa em voz alta, a juíza repete (coisa bem automática e rápida mesmo, pura burocracia) e ai a juíza pergunta “como voce se declara?”.

Ainda esperando as outras pessoas se registrarem com a promotora
 Nessa hora voce se diz culpado, se quiser aceitar o acordo da promotora, e a juíza pergunta se a promotoria tem algum acordo para oferecer. A promotora responde que sim, oferece $200 pela multa. A juíza pergunta se voce precisa de prazo para pagar, seja 30, 60 ou 90 dias. E você recebe um papel azul que informa o novo valor e o prazo para pagar. 


O pagamento pode ser feito ali mesmo nos caixas da courthouse ou a partir do dia seguinte pela internet. Os pagamentos que tem extensão de prazo podem ser feitos em parcelas, mas atenção: eles não vão lhe mandar boleto bancário, voce é responsável de fazer os pagamentos apenas tendo aquele papel azul. O não pagamento da multa significa que eles cancelarão a sua carteira de motorista sem aviso. De acordo com a promotora nenhuma outra carta sera enviada sobre essa multa.

Apenas uma pessoa do meu grupo se declarou inocente e pediu para recorrer. A juíza então deu um outro papel e disse que esperasse uma carta em casa com nova data para comparecer. Outra pessoa pediu para ter uma redução ainda maior, a juíza foi bem bruta e passou sermão que a infração foi muito grave e que ela poderia inclusive negar o acordo que a promotoria estava oferecendo pois estava obvio pela velocidade do carro (que fica registrada na foto) que a pessoa estava também indo acima da velocidade permitida. Ou seja, era melhor ter ficado calado.

A juíza não dava espaço ou mesmo queria ouvir sua historia ou porque voce quiz recorrer da multa, era preto no branco, se declara culpado ou inocente e pronto. Enfim, cada interação com a juíza por pessoa não durava mais do que 2 ou 3 minutos, eu por ter um sobrenome com uma das ultimas letras do alfabeto fui a ultima a ser chamada e pude ver que não seria uma boa pedir para reduzir o valor mas que pedir prazo era okay, então foi isso que fiz. Me declarei culpada, e pedi 6 meses para pagar e a juíza concedeu.

Não estou aqui querendo dizer para não respeitar as leis de transito, muito pelo contrario, elas são importantes e devem sim ser seguidas. Apenas relatando minha experiencia numa corte perante um juiz, pois me senti bem insegura e nervosa por não saber o que esperar - na verdade eu achava que seria uma mediação, sentada numa salinha pequena com privacidade e oportunidade de dar sua “versão” do ocorrido, bem diferente do que de fato aconteceu na minha experiência. Talvez em outros tipos de multa seja diferente, ja que a foto do carro não deixa muito espaço para argumentos.

Agora estou mas pobre por minha própria distração de ter passado no sinal vermelho, o que me serviu de lição, mas que espero que sirva também para vocês saberem o que esperar caso queiram recorrer de uma multa.


Até a próxima! E dirijam com segurança!

0 comentários: